E-commerce cresce 26% no Brasil

· PATYMARKETING
Autores

61% dos consumidores são da classe C

 

O comércio eletrônico brasileiro teve bons resultados em 2011.  De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações do e-commerce, o setor cumpriu o previsto e faturou R$ 18,7 bilhões, valor nominal 26% maior que o alcançado em 2010. O tíquete médio ficou em R$350, com 9 milhões de novos e-consumidores, sendo que, desse total, 61% são pertencentes à classe C. Dessa forma, chegamos a 32 milhões de consumidores que compraram, ao menos uma vez, via web.
Esses dados fazem parte da 25° edição do relatório WebShoppers, elaborado pela e-bit, com apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net)  e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio).O estudo também aponta as categorias mais vendidas do ano. Em 2011, a preferência em adquirir produtos de maior valor agregado continuou, em decorrência dos preços competitivos e das facilidades de pagamento oferecidas pelas lojas virtuais. A novidade foi a ascensão nas vendas de moda e acessórios.
“A categoria era pouco procurada por causa da falta de padronagem e da necessidade dos consumidores em experimentar as peças antes da compra. Essas questões passaram a ser trabalhadas pelos varejistas e os resultados começaram a aparecer”, destaca o Diretor Geral da e-bit, Pedro Guasti. No ranking das cinco categorias mais vendidas estão: Eletrodomésticos, Informática, Eletrônicos, Cosméticos e Perfumaria/Cuidados Pessoais e Moda & Acessórios, respectivamente.
Em 2012, o e-commerce deve continuar crescendo, no mesmo ritmo apresentado em 2011. Embora o mercado interno esteja aquecido, o cenário internacional poderá influenciar nos resultados. A crise na Europa, a previsão de redução no ritmo de crescimento chinês e o fato de a economia americana ainda estar se recuperando podem gerar algum reflexo negativo no ritmo de crescimento econômico, afetando o varejo como um todo.  Por outro lado a redução na taxa básica de juros e incentivos governamentais reduzindo impostos poderá equilibrar esse cenário.
O esperado é que até o fim do ano, o e-commerce atinja um faturamento de R$ 23,4 bilhões, valor nominal 25% maior que em 2011. Só no primeiro semestre, período em que historicamente acontecem 45% das vendas do ano, são esperados R$10,4 bilhões.
Compras Coletivas
O relatório traz ainda informações sobre o mercado de compras coletivas, que apesar de novo, já começa a se estruturar e amadurecer. Em 2011, o número de pessoas que aderiram a essa modalidade chegou a 9,98 milhões. Foram realizados 20,49 milhões de pedidos e o faturamento ficou em R$ 1,6 bilhão. O perfil dos consumidores desse segmento também está contemplado nesta edição e aponta que o público de compras coletivas é majoritariamente feminino. “As mulheres são 64% das consumidoras da modalidade. A explicação está no fato de que muitos dos produtos e serviços oferecidos são atrativos ao universo feminino, além disso, a forte presença delas em redes sociais contribui para isso”, afirma a diretora de negócios da e-bit, Cris Rother.
O comportamento do e-consumidor
Para esta 25ª edição, a e-bit, em parceria com a eBehavior, empresa de marketing comportamental, preparou um estudo inédito sobre o comportamento do e-consumidor. Neste capítulo, é possível entender como as lojas que possuem ferramentas de behavioral targeting apresentam conversão em vendas muito maior do que lojas que não investem nesse tipo de solução. A pesquisa mostra, por exemplo, o intervalo de tempo entre a busca pelo produto e a compra, e assim, é possível traçar o perfil de compra e o impulso dos compradores virtuais.
Índice FIPE Buscapé
Um dos fatores determinantes para os e-consumidores realizarem suas compras é o preço. Não é a toa que comparadores de preços se tornaram tão populares. Tendo isso em vista, foi lançado o Índice FIPE Buscapé. Um relatório que levanta, mês a mês, uma radiografia dos preços de mais de 1,3 milhão de produtos no e-commerce brasileiro. Esta edição do WebShoppers analisa o período de um ano, Fevereiro 2012 X Fevereiro 2011, em que houve deflação de – 9,75% no e-commerce brasileiro.  Número que se contrapõe fortemente aos índices de preços aos consumidores gerais, como o IPCA-IBGE, que teve aumento de 6,15%, e o IPC-FIPE, que cresceu 5,30% no mesmo período estudado.
Por AdNews

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: