O ponto no e-commerce

· PATYMARKETING
Autores

O comércio eletrônico não teve como pai o comércio tradicional. No Brasil, as primeiras grandes lojas virtuais foram dirigidas por executivos originários de TI, e somente a partir de2002 esta modalidade de vendas de mercadorias começou a atrair o varejo tradicional.

A fusão destas modalidades de comercialização está sendo lentamente construída ainda.

O ponto de venda é um pequeno exemplo que mostra como estes mundos – o físico e o virtual – estão próximos e como os especialistas esforçam-se para separá-los.

Classicamente, os mais importantes fatores a determinar o ponto de venda de uma loja física são: o acesso, a concorrência, o imóvel e a população. Mas o que ocorre com esta ótica tratando-se de uma loja virtual?

O acesso, traduzido como tráfego, recebeu o nome de visitação. O que pode ser natural numa loja física (quantidade de transeuntes que normalmente passam pelo local), passa a ser função de outro P, a propaganda em sites de alta afluência ou buscadores de preço.

A concorrência deixou de ser territorial, a noção de espaço deixa de ter sentido. Todas as lojas concorrentes estão “ao lado” e o que as fazem contíguas são os sites de pesquisa e buscadores de preço.

O imóvel passa a ser a qualidade da Web Store em termos estéticos, operacionais (desempenho, algoritmo de busca, sugestões etc.) e de gestão (produção dos itens, arranjo da vitrine etc.).

A população deixa de ser restrita à redondeza da loja para ter a amplitude da banda larga. Neste sentido é que a logística passa a ser fundamental.

Como se nota é possível traduzir o arcabouço analítico extremamente desenvolvido do comércio tradicional para o varejo eletrônico, porém, há quem insista em enfatizar a loja virtual como o engodo da bolha da “nova economia”. Um exemplo disso é a falsa afirmação de que o comércio eletrônico não tem barreiras de entrada.

Voltemos ao ponto de venda. Como se avalia uma padaria? Pelo faturamento mensal. O investimento no ponto inclui a expectativa de retorno com alto grau de certeza. No comércio eletrônico não é assim. O ponto é praticamente gratuito por não conter certeza alguma sobre o retorno. As vendas terão que ser conquistadas à custa de forte e cara propaganda.

Enfim, é fácil entrar no comércio eletrônico, o difícil é lucrar com ele.

Tags: 

CategoriaCases

E-CommerceNews

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: